Thursday, April 26, 2018

~

#1
Abril 2018

Saturday, March 10, 2018

~


vieira
2018

~

de regresso a casa
a este espaço silente
em que sou eu só 
sem expectativas 
nem retornos

a este sonho 
que reinvento 
sem aparas

ao ser-me
agora
de novo
sem saber
quem fui

esqueci-me
de tudo
do todo 
a que me dei
inteiramente

se grande
tiver sido
o pouco 
do que fui 
por inteiro

terá sido
naquele 
dar-me
constante 
humilde
(e)terno 

naquele 
estar
verdadeiro
e pleno
consumido
pela verdade 
de outros olhos
de outros modos
de entender 
a vida

por agora
não sei 
como
sobreviver
a este 
regresso

a esta
casa
estranha

silente

sem 
retorno

Monday, March 5, 2018

~

Óbidos
Fevereiro 2018

~

circula o tempo 
mas o espaço 
permanece

e nesse 
movimento
errático
disestésico
nessa presença
dolente
e (in)constante
é primeira 
a mágoa triste
da saudade
sempre tácita
e rugosa
antes das coisas
e motivos e cores
que se assomam
aos dias
desconexos
e vastos
desta viagem 
sem onde

existir
na certeza final
de que tudo finda
seja para quem for 
naquela mesmíssima 
hora derradeira
naquele lugar 
desvalido

despertar 
com essa verdade
que por ser verdade
magoa 
com a força toda
das pedras
contra o mar
em que me espalho 
e extingo

é sem sentido

e neste azul 
de desencanto
nesta luz matinal
desvanecente
não  encontro 
motivo além 
daquele universal
que nos encanta e trai

motivo que 
em nós 
falta
quando nos escapa
a verdade
e o que resta 
é um sentir ausente

porque o amor
essa razão
esse sentido maior
que nos falha no limite
no ponto em que somos nós 
e o outro 
e (a) vida 
na vida de quem parte

(estar longe
é diferente de ser 
longe)

é a verdade
que nos agarra
a este 
sem tempo 
nem espaço
por que corremos 
sem pensar

estar que tudo 
consome 
e invade 
a cada momento
a cada presente 
que o lembrar-te 
nos permite

por isso penso 
para sentir-te

estando

~

costa 
Fevereiro 2018

~

queria dizer
a palavra
amo
a ti 
e ao mundo 
pois quando 
amamos 
amamos alguém 
e ao mundo 
todo 
que nos ama

queria dizê-la
em silêncio
e no silêncio 
ouvir
ouvir-te dizer
o nome
de todas as coisas
do mundo

queria amar 
assim
amar-te perdidamete
como naqueloutro
poema-vida
que não escrevi

e em tal vazio- 
-libertação plena
da ausência
ser
sermos
com a força
toda
da razão
de sermos

Sunday, November 19, 2017

~


porque além 
de tudo 
o que nos pesa

porque além 
de tudo aquilo 
que nos obriga a

além do pensamento 
que não passa
das horas
de solidão primeira

porque além 
do mar sem fim

há um vazio 
profundo e cheio 
de esperança

.

porque atrás
do silêncio 
há o olhar nosso
pedinte e pronto

e no final
um ponto 
convergente
a todos nós
inquiridores 
da vida desigual
e sem critério 

da justiça
ausente
despontada
a cada silêncio 
maior
a cada sentir
mais lêvedo 
a cada perda
a cada amanhã
assaz frágil 
e incerto

.

porque além
de nós
existe o sonho 
que nos espera
sereno e doce

aquela memória
distante
eluente
do turbilhão 
denso e voraz
que nos engole
e demencia

.

porque além 
da vida
existe o viver
insatisfeito
e nele o abraço
imperioso 
que nos falha
na saudade

[...]


Novembro 2017

~


Saturday, October 28, 2017

~

não consigo sentir
não consigo chegar
a ti
meu desejo antigo
mudo-me inconstante
sem sentido
de ali para sem onde
por esta terra seca
e lábil
inerte e só

já nem a noite
nem a lua-mar
me trazem a brisa
viva
de outros tempos
nem os lugares
que vivemos
eu e tu
meu velho peito
vazio aberto

nem a música
nem o calor brando
das noites
de poesia
nem o frio
que escasseia
neste outono
por demais claro
e rasgado à vida
que é escassa
e frágil

não há abraço
que me abrace
neste sonho
desavindo
neste querer infinito
e vago
que se não mostra
e não explica
neste projecto
que se vai gastando
em condicionalismos
ambiciosos
absurdos

tudo é denso
e transitório
o mundo pesa
tanto
sempre com pressa
sempre com um objectivo
a mais na calha
sempre com um sempre
a mais no sempre
que se não cumpre

não consigo ser
neste hoje
angustiado
mal começa o dia
e o amanhã se apronta
obsessivo
clástico

não consigo encontrar
nesta amálgama
selvática e viril
nesga de água
fresca
brilhando ao céu
profundo
de estrelas e sóis
ardente

não consigo
ver-te assim
reflexo meu
convexo
debruçado
sobre a sombra
inconspícua
da acção
inconsequente e bela
que demora horas
e dias
e anos
existindo simples
na engrenagem
intrínseca e infinita
e indemonstrável
da verdade
despojada

não consigo amar
não consigo sorrir
além do contexto da dor
que passa
da mão que nos aperta
apertadamente
do olhar que nos não foge
e que só ele entende
o nosso igual olhar
desprotegido e só

[proémio
do verbo falado
das palavras duras
que não precisamos
de dizer
nem a eles
nem a nós]

não sei o que dizer
de tudo isto
que é a vida possível
a vida que nem o pão
nem o vinho
enternecem
a vida que é só uma
e para nós tantas vidas
que são uma e uma só
lutando sem defesa
no leito da descrença
da exaustão
da falta de ideias e recursos
e conhecimento
da coragem

(...)